APRESENTADO POR

Como o médico opta por um determinado medicamento entre os vários – de ótima qualidade – que existem no mercado?

Mario Cacozza, Rodrigo Galesi e Simone Pires: vertical de Geração de Demanda da InterPlayers, o hub de negócios da saúde e bem-estar, tem soluções omnichannel que resolvem dores da indústria como dar início ao tratamento dos pacientes eliminando barreiras geográficas.
Cláudia de Castro Lima | 16 abr 2021

Todos os anos, dezenas de novos medicamentos são lançados no país. Para isso, a indústria farmacêutica gasta, no mundo inteiro, mais de R$ 1 trilhão em pesquisa e desenvolvimentos de produtos.

Esse investimento imenso só vai trazer retorno se, claro, esses produtos forem comprados. Para chegarem às casas do paciente e serem usados por ele, grande parte dos medicamentos tem de ser prescrita.

E são esses profissionais prescritores – médicos, dentistas, veterinários e, em alguns casos, nutricionistas – o centro da atenção de uma das cinco verticais da estrutura de abordagem de negócios da InterPlayers, a Geração de Demanda.

Para apresentar seus novos tratamentos a esses prescritores, a indústria conta com especialistas que recebem todo o treinamento necessário a respeito de cada produto: informação científica, experiência clínica, estudos.

“Dessa forma, quando for prescrever um medicamento para seu paciente, o médico se lembra de determinado produto e pode receitá-lo”, explica Mario Cacozza Souza, gerente de Soluções de Geração de Demanda da InterPlayers.

O objetivo desta vertical gerenciada por ele é justamente fazer essa conexão entre indústria e prescritores. “Feita com excelência, a visitação médica leva ao profissional de saúde a informação do medicamento de forma clara e possibilita, assim, o início de todo o ciclo da cadeia”, explica a gerente de Marketing da empresa, Simone Pires.

“A Geração de Demanda e as verticais Comercial, Trade, Fidelização & Acesso e Serviços ao Paciente formam a visão 360 graus do Hub”, diz ela.

VISITAS MÉDICAS DE NORTE A SUL DO PAÍS

Simone se refere ao ciclo que, a partir da prescrição médica, segue para o ponto de venda, onde há a compra do medicamento, e, de lá, pode estender-se para um programa de benefícios e relacionamento com o paciente – que, mais do que descontos em produtos, oferece também orientações de saúde e, se necessário, acompanhamento de profissionais para auxiliar a ministrar tratamentos específicos.

O ciclo passa, claro, pelo ponto de venda: se na farmácia não houver determinado medicamento, é impossível para o paciente consumi-lo.
“A InterPlayers atua em toda essa cadeia, oferecendo soluções que se conectam”, diz Simone.

As soluções das verticais da InterPlayers, o hub de negócios de saúde e bem-estar, passam por todo o ciclo e estão todas conectadas – e tudo se inicia justamente com a Geração de Demanda.

“Nossa missão é digitalizar a jornada de acesso ao início do tratamento medicamentoso”, afirma Rodrigo Galesi, diretor de TI e Produtos da companhia.

Quando contrata a solução, é a indústria que define, com a InterPlayers, a estratégia de abordagem que será feita aos profissionais prescritores. Isso varia de acordo com as características de cada produto e de cada profissional.

“Todos os produtos que surgem no mercado têm muita qualidade e são frutos de investimentos bastante altos. Qual deles o profissional vai prescrever para seus pacientes?”, questiona Caccoza.

Segundo o gerente, a resposta passa por quem tem a estratégia mais bem definida e está abastecido com mais informações e condições melhores para dar ao médico toda a atenção necessária no processo completo.

Segundo as características do profissional de saúde, de sua localização geográfica e do potencial de volume de pacientes, as visitas a ele podem ser feitas de três formas: presencial, virtual (por telefone, videochamada, WhatsApp ou e-mail) e por meio de plataformas totalmente digitais, sem a presença de um representante.

“Imagine, por exemplo, um médico que esteja em uma pequena cidade no Norte do país. A visitação presencial a ele pode ser inviável financeiramente – e, portanto, há a possibilidade de que ela seja feita de forma virtual ou digital”, explica Cacozza.

AMOSTRAS GRÁTIS DIGITAIS: UMA INOVAÇÃO

É usual que, na visita ao médico, o representante da indústria leve amostras grátis do medicamento ou produto que está divulgando para que o profissional faça uma espécie de experimentações de acordo com as características de seus clientes.

Sem elas, o paciente precisaria comprar uma caixa de um medicamento sem saber se ele trará, de fato, o efeito desejado ou se haverá algum impacto colateral.

Para criar essa amostra, a indústria precisa de uma linha de produção específica: seu tamanho é menor e a embalagem é diferente. Além do custo que isso implica, essa amostra grátis também precisa de aprovação pelos órgãos reguladores.

E é exatamente aqui, para evitar esse processo, que reside uma recente inovação que a InterPlayers oferece a seus clientes da indústria farmacêutica e de bens de consumo: a plataforma digital Início de Tratamento, lançada em outubro.

“Em vez de entregar a amostra grátis, a InterPlayers oferece vouchers digitais para os profissionais”, afirma Rodrigo Galesi. “O médico cadastra o paciente por meio das soluções da InterPlayers e a pessoa vai até a farmácia retirar o medicamento.”

Mario Cacozza reforça: “Não é amostra grátis. É o próprio produto”. Segundo ele, a plataforma conecta indústria, representante, médico, paciente e ponto de venda oferecendo vantagens tanto em custo direto quanto em custo indireto.

“Outra grande vantagem é que a plataforma permite a visualização de todo o processo”, afirma. “A finalidade de entregar uma amostra para um paciente é a experimentação daquele produto para checar sua garantia e adaptação”, explica.

Mas, hoje, quando entrega uma amostra grátis do produto, não é possível saber quantas foram de fato convertidas em adoção ao tratamento. “Com nossa solução, conseguimos saber se o médico liberou para o paciente, se o paciente pegou a amostra, se o médico precisa de mais vouchers”, explica.

A continuidade do tratamento também pode ser verificada, na medida em que o medicamento ofertado pode fazer parte dos programas de benefícios da indústria.

OUTRAS SOLUÇÕES DIGITAIS

Para a comunicação eficiente com o profissional de saúde e, consequentemente, a geração de demanda, a InterPlayers conta com outras duas soluções digitais.

Uma delas é uma plataforma de conhecimento em pediatria criada em parceria com um grupo de médicos da especialidade e médicos intensivistas.

“Ela é destinada a dois públicos: profissionais de saúde e público leigo, como pais e cuidadores de crianças”, afirma Simone.

Para os primeiros, a plataforma traz informações científicas e atualização de conhecimentos segundo as principais publicações médicas, além de ferramentas, guias e calendários que auxiliam no dia a dia do profissional.

Para pais e cuidadores, a plataforma traz informações de qualidade e confiáveis, feitas sob supervisão de profissionais, sobre saúde infantil.

Outra solução digital é o aplicativo Global Communities, uma comunidade fechada desenvolvida para a indústria farmacêutica, da qual participam profissionais da saúde convidados. “Ela traz informações científicas, relato de casos, videoaulas médicas e toda sorte de material que o profissional pode consultar quando e de onde quiser”, afirma Cacozza.

Com todas as suas soluções, a vertical Geração de Demanda auxilia na resolução de dores como a dificuldade de expansão geográfica. “Com as soluções integradas e digitais que oferecemos, conectamos todos os players do setor eliminando a barreira física”, diz o diretor Galesi. “Conseguimos fazer campanhas que alcançam o país inteiro, não priorizando apenas os grandes centros.”

Para o executivo, a transformação digital é o grande diferencial da InterPlayers. “O pioneirismo está no DNA da empresa. Nós vamos indicando os passos e o mercado vai seguindo”, afirma. “Isso tudo levando em consideração a razão de ser da companhia: estamos lidando com vidas humanas. E é isso que está no centro de nossas decisões.”


Confira Também: