• Como o Hospital Oswaldo Cruz investe em tecnologias digitais e IoT e libera profissionais da linha de frente para outras tarefas

    Alessanda Pineda, gerente de Assistência Farmacêutica da instituição, explica a importância de soluções que monitoram o sistema que refrigera vacinas como a da Covid-19 – trabalho que hoje é feito de forma manual
    Alessandra Pineda | 24 mar 2021

    Tecnologias digitais têm sido implementadas pelo Hospital Alemão Oswaldo Cruz para garantir a melhor experiência e o melhor resultado em saúde para seus pacientes. 

    Seu Modelo Assistencial, reconhecido internacionalmente, prevê o paciente e a família no centro do cuidado – e, cada vez mais, essas tecnologias são adotadas para que os profissionais da assistência dediquem seu tempo a estabelecer vínculos de cuidado e confiança.

    Em tempos de pandemia como o atual, no qual o sistema de saúde tem sido altamente demandado e o cuidado aos pacientes têm sido intensivos, investimentos em apoio à assistência podem trazer maior eficiência operacional e otimizar tempo para atendimento.

    Medicamentos termolábeis, incluindo vacinas, são sensíveis à flutuação de temperatura, calor excessivo ou congelamento, devendo ser mantidos de acordo com a faixa de temperatura determinada pelo fabricante desde sua produção até o momento em que são administrados, assegurando, assim, a cadeia do frio. 

    Tal monitoramento, não raro, é exercido pelos profissionais da linha de frente três vezes ao dia de forma manual.

    Buscar por soluções que monitorem tais variáveis traz benefícios na qualidade do atendimento, reduz desperdícios de insumos críticos, assim como poupa tempo dos profissionais para dedicarem-se inteiramente à assistência aos pacientes. 

    PRECISÃO MÁXIMA NO CONTROLE DE REFRIGERAÇÃO

    Em 2020, o Hospital Alemão Oswaldo Cruz realizou projeto-piloto de sistemas de registradores de dados digitais para monitoramento de temperatura, tanto para refrigeradores de vacinas – recomendação do Centro de Controle e Prevenção de Doenças Americano (CDC)1 – e demais medicamentos termolábeis como também para a mensuração da temperatura ambiental e umidade dos locais de armazenamento de insumos.

    Registradores de dados digitais (DDL) são uma solução que fornece o máximo de informações precisas de temperatura da unidade de armazenamento, incluindo detalhes sobre o tempo que uma unidade possa ter operado fora do nível recomendado.

    Ao contrário de um termômetro de máxima e mínima, que mostra apenas as aferições mais altas e mais baixas alcançadas pelo equipamento, um DDL fornece informações detalhadas sobre todas as variações registradas em intervalos predefinidos.

    COMO A IOT AJUDA A ARMAZENAR VACINAS

    Medicamentos precisam ser mantidos em ambientes com temperatura e umidade controladas para manutenção de suas características físico-químicas – e, dessa forma, assegurar a sua eficácia terapêutica, a fim de que os pacientes possam ter a melhor experiência e resultado em saúde.

    A maioria das vacinas de vírus vivos tolera a capacidade de congelamento, mas deteriora-se rapidamente após ser removida do armazenamento. 

    Vacinas inativadas podem ser deterioradas pela exposição a flutuações de temperatura, ocasionando efeito negativo acumulativo, podendo afetar a sua eficácia.

    A solução testada e implementada pelo Hospital Alemão Oswaldo Cruz para monitoramento de temperatura e umidade utiliza a tecnologia IoT (internet das coisas), na qual sensores enviam dados em tempo real para um sistema em nuvem. 

    Esse sistema em nuvem, por sua vez, processa uma série de regras de negócio, estabelecendo limites seguros para o armazenamento dos medicamentos. 

    Isso possibilita que ações proativas e imediatas sejam disparadas por meio de alarmes inteligentes.

    O projeto compreende a instalação de 112 sensores distribuídos em áreas estratégicas em todo o complexo hospitalar, sendo 51 em refrigeradores e, destes, 21 em unidades assistenciais. 

    COMO FUNCIONA A REFRIGERAÇÃO DA VACINA DE COVID-19

    O piloto do sistema, testado no ano passado, está em funcionamento na Unidade Paulista e permite monitorar a temperatura de medicamentos termolábeis, assim como, vacinas, incluindo as de imunização da Covid-19. 

    Os refrigeradores que armazenam essas vacinas precisam manter temperatura entre 2ºC e 8ºC. 

    O monitoramento é feito em tempo real por um grupo de profissionais da equipe de engenharia, que recebe acionamento por alertas por SMS, e-mail ou ligação telefônica automática em celulares, no caso de oscilação na faixa de temperatura definida como limite para ação.

    A vantagem do novo sistema é sua total automação, reduzindo a intervenção humana no processo, o que permite a extração de relatórios conforme os padrões definidos pela Vigilância Sanitária. 

    A automação possibilita ao hospital maior controle em toda a cadeia, principalmente, da qualidade dos produtos armazenados, conferindo maior segurança e eficácia ao processo de medicação.

    O sistema de sinalização e monitoramento garante menor tempo de resposta da área de manutenção. Todas as informações geradas pelo sistema podem ser acompanhadas pelo operador em seu computador ou por meio de um aplicativo mobile. 

    De qualquer lugar, o gestor tem a visão de todo o sistema, a qualquer momento que precise. Também poderá ser avisado por chamada telefônica automática ou SMS, como preferir.

    Tal solução também permitirá o monitoramento ambiental de temperatura e umidade das áreas de armazenamento de medicamentos, respeitando os parâmetros estabelecidos pelos órgãos sanitários. Mais confiança no manuseio dos medicamentos e mais tempo dedicado aos nossos pacientes.

    1 Vaccine Storage and Handling Toolkit CS296544-B March 2021 Updated with COVID-19 Vaccine Storage and Handling Addendum added March 4, 2021

    Alessandra Pineda do Amaral Gurgel é gerente de Assistência Farmacêutica do Hospital Alemão Oswaldo Cruz


    Confira Também: