• Saiba como a Vittude Corporate, benefício corporativo focado na saúde mental dos funcionários, cresceu 400% em um ano

    Tatiana Pimenta, CEO da Vittude: o estado psíquico dos colaboradores afeta diretamente o resultado das empresas. De olho nessa demanda, a solução corporativa da Vittude viu seus clientes saltarem de 20 para 80 em 2020
    Felipe Van Deursen | 30 out 2020

    Nada como um vírus que se espalhou por todo o planeta em um punhado de semanas, matou mais de 1 milhão de pessoas em questão meses, derrubou mercados e fez a comunidade médica e científica se debruçar sobre uma série de questões ainda sem respostas de forma nunca antes vista na história para mexer com a cabeça de todo mundo.

    Quem pôde se trancar em casa, seguindo as orientações das autoridades de saúde, em algum momento da quarentena deve ter se perguntado: “Ok, ficar em casa protege mais do coronavírus. Mas e a minha cabeça, como fica?”

    A saúde mental foi e continua sendo uma preocupação enorme durante a pandemia.

    Em um artigo publicado em junho, pesquisadores do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) e da Universidade Federal Fluminense (UFF) falaram das alterações neurais, imunes e endócrinas relacionadas ao distanciamento social e também à própria infecção de Covid-19. No estudo, eles analisam como essas mudanças podem gerar distúrbios psicológicos.

    De olho no gigantesco desafio que a humanidade enfrenta, muitas empresas estão repensando a forma de investir na saúde mental de seus funcionários (ou simplesmente começando a olhar para ela de forma mais séria). Que o diga a Vittude, empresa de psicologia online e saúde emocional corporativa.

    Em seu programa de cobertura de saúde mental para empresas, o Vittude Corporate, o número de pessoas beneficiadas cresceu quase sete vezes entre março e agosto de 2020: saltou de 22 mil para mais de 150 mil.

    A quantidade de clientes pulou de 20 para mais de 80. Entre os novos nomes, a Vittude atende agora Grupo Boticário, Raia Drogasil, Grupo Profarma e SAP.

    Esse crescimento não deu sinais de desaceleração nos últimos meses, e o número de beneficiados já passou os 200 mil em outubro. A empresa atua em mais de 50 países e tem cerca de 6 mil psicólogos cadastrados.

    CONEXÃO DE PSICÓLOGOS COM PACIENTES

    “Até março eram poucas as empresas que tinham estratégias concretas no que tange à saúde mental. As que possuíam, se ancoravam em modelos tradicionais de cuidado, pouco efetivos, como canais de atendimento emergencial, no 0800”, diz Tatiana Pimenta, CEO e fundadora da Vittude.

    “A pandemia trouxe um adoecimento emocional impossível de ser ignorado. Um estudo recente da Uerj [Universidade Estadual do Rio de Janeiro] apontou que os casos de depressão dobraram e os de ansiedade cresceram 80%. Aumentou abuso de álcool, TOC, dependência química, burn out e muito mais. Sem contar os inúmeros casos de luto diante de tantas vidas ceifadas pela Covid-19.”

    Nas pesquisas realizadas pela Vittude dentro do quadro de funcionários das empresas atendidas, o cenário é ainda pior.

    “Chegamos a identificar prevalência de sinais de ansiedade severos e extremamente severos em 30% dos colaboradores”, afirma.

    “O que nossos mapeamentos sugerem é que esse crescimento de 80% apontado pela Uerj pode ser até três vezes maior entre as pessoas economicamente ativas.”

    Com tanta gente afetada, os patrões precisavam tomar uma atitude. Cuidar da saúde mental dos funcionários é “estratégico”, nas palavras de Tatiana. Não cuidar eleva custos e reduz a lucratividade. Simples assim.

    Algumas empresas já relataram os benefícios para o próprio bolso de se investir em algo que até outro dia podia ser visto como frescura.

    “Temos clientes que apontam uma economia da ordem de 3,5 vezes o valor investido nos últimos 12 meses”, diz Tatiana.

    Na parte mais humanizada dessa conta, o retorno também é positivo. “Em geral, eram funcionários que perderam familiares por causa da Covid, que passaram por um momento de luto delicado e que encontraram na Vittude, no serviço subsidiado pela sua empresa, um acolhimento importante no momento dolorido.”

    MOTIVAÇÃO PESSOAL PROVOCADA POR UMA DEPRESSÃO

    Tatiana é engenheira civil, com experiência nas indústrias de construção civil e florestal. Em 2012, ela sofria de depressão e penou para encontrar psicólogo.

    “Mesmo tendo acesso a plano de saúde, não consegui utilizar o serviço de forma adequada. Escolher um profissional era um desafio”, relembra.

    “Tinha à minha disposição um livro com nome, endereço, telefone, sem qualquer identificação do profissional, experiência ou formação que pudessem apoiar minha escolha.”

    Ela acabou pinçando um nome usando um critério comum a quem mora em grandes cidades: a proximidade de casa. “Passei por três experiências frustrantes. Só consegui começar um processo de terapia depois de receber indicações de amigos.” Mas aí o problema era justamente a distância. “Cheguei a levar mais de duas horas entre ida e volta do consultório.”

    Em 2015, durante a crise econômica, Tatiana foi demitida de seu emprego e enfrentou problemas de saúde na família.

    A dificuldade de encontrar um bom psicólogo pelos meios antiquados do plano de saúde e o tempo perdido no trânsito de São Paulo para fazer terapia, aliados ao momento pelo qual ela passava, a motivaram a virar empreendedora.

    Tatiana decidiu, então, criar uma plataforma que facilitasse o encontro entre psicólogos e pacientes.

    A marca Vittude é um jogo de palavras com ‘vital’ e ‘saúde’, a fim de reforçar o conceito de que cuidar da saúde mental é fundamental para o resto do corpo.

    Em 2016, Tatiana lançou a Vittude ao lado do sócio e amigo Everton Höpner, engenheiro de produção com experiência em consultoria. Dois anos depois, surgiu o braço corporativo.

    “Não fomos nós que escolhemos, foram as empresas”, brinca a CEO ao explicar essa evolução natural da plataforma. “Na época, a Resultados Digitais [empresa de marketing digital] estava buscando uma solução que agregasse valor a um projeto interno de bem-estar. Como éramos clientes da RD, eles nos consultaram para ver se tínhamos alguma solução corporativa. Desenhamos a solução com participação de um time da RD e começamos a trabalhar”, lembra.

    Depois, 99, Imovelweb e outras startups se tornaram os primeiros clientes do Vittude Corporate.

    Em 2019, houve uma rodada de investimentos seed – o capital semente é um tipo de financiamento para empresas em um estágio de desenvolvimento mais avançado em relação às que recebem o investidor-anjo.

    Com o aporte de R$ 4,5 milhões, a Vittude acelerou investimentos no braço de negócios e estruturou equipes de marketing e vendas focadas no mercado B2B (entre empresas).

    “Estamos nos preparando para a próxima rodada de investimentos”, diz Tatiana. “Queremos chegar a 200 clientes corporativos nos próximos seis meses. A pandemia provocou um aumento consistente na demanda por terapia online e serviços de saúde mental corporativos. Acreditamos que esse cenário vai perdurar em 2021 e nos anos seguintes.”

    A pandemia vai passar, mas os cuidados com o bem-estar mental vieram para ficar.


    Confira Também: