APRESENTADO POR

Saúde digital: tecnologia permite a democratização dos serviços e o cuidado integrado e mais eficaz do paciente

Caroline Marino | 18 nov 2021

A transformação digital em saúde está crescendo significativamente no Brasil. Segundo o estudo Future Health Index, os líderes do setor estão concentrados em oferecer um sistema de saúde sustentável e centrado no paciente, por meio de tecnologias.

A pesquisa mostra que 60% dos entrevistados gostariam que a inteligência artificial fosse implementada em suas instituições para a otimização da eficiência operacional e a integração de diagnósticos.

A capacidade de fornecer serviços sob demanda com acesso a qualquer hora e em qualquer lugar, por exemplo, já está impulsionando a adoção do cloud em todo o espaço de saúde.

A  BCC Research estima que esse mercado atinja US$ 35 bilhões até 2022, com uma taxa de crescimento anual de 11,6%. 

O tema será abordado no Talks do Grupo Fleury “Transformação digital na saúde: impactos no setor e nos cuidados ao paciente”, que vai acontecer dia 25 de novembro, às 17h, no youtube do Future Health.

O evento vai contar com a participação de três nomes de peso nessa área: Hans Ulrich Lenk, CEO da Saúde iD, Bernardo Sebastião, sócio da Bain & Company, e Rodrigo Nasser, sócio da ITU Partners e da Aster Capital.

Inscreva-se agora mesmo clicando neste link.

“A transformação digital na área representa o próximo degrau no avanço em direção a uma saúde cada vez mais integrada, efetiva e acessível”, diz Hans.

“Isso acontece pois, por meio dos recursos digitais, é possível prover cuidado de maneiras antes impossíveis. Alavancando dados e tecnologia, podemos oferecer uma experiência superior a um custo menor.”

Um dos aspectos que impulsionaram a transformação digital na área foi a regulamentação em caráter emergencial da telemedicina por causa das regras de isolamento e distanciamento social impostas pela Covid-19.

Mas, segundo Hans, essa é apenas a ponta do iceberg.

Já existem no mercado, por exemplo, produtos que permitem a teletriagem de pacientes por meio de perguntas feitas por uma IA, possibilitando um cuidado adequado no tempo certo, e outros que permitem a realização de exame médico físico a distância por dispositivos conectados à internet.

“É o caso do Tytocare, um aparelho no qual é possível conduzir, junto à equipe médica a distância, uma consulta avaliativa completa no coração, pulmão, nariz, ouvido, garganta e pele”, diz.

Para ele, cuidar da saúde deveria ser tão fácil quanto comprar em um marketplace ou investir em uma plataforma bancária. “E é isso que a transformação digital traz para o segmento”, afirma.

HEALTHTECHS TRAZEM AINDA MAIS AVANÇO

O surgimento de startups voltadas para a saúde também impulsionou o crescimento da transformação digital no Brasil.

Imersas na tecnologia e influenciadas por negócios do Vale do Silício, Israel e China, essas empresas trazem ainda mais dinamismo ao setor.

“Elas [startups] têm um papel importante na democratização e digitalização do acesso a cuidados, sendo uma alternativa para uma acompanhamento continuado da saúde do paciente”, diz Bernardo Sebastião, sócio da Bain & Company.

A Saúde iD, startup que nasceu dentro do Grupo Fleury, é uma das pioneiras nesse sentido.

O negócio atua para oferecer aos clientes uma jornada conveniente, integrada e inteligente em saúde, incluindo um marketplace de serviços e produtos.

Para isso, há três verticais: consultas, cirurgias e exames. Na vertical de consultas, são oferecidas teleconsultas com a qualidade do Grupo Fleury, com médicos qualificados e preços competitivos.

Na vertical de exames, há slots em períodos ociosos com descontos médios de 50% versus o preço particular normalmente praticado.

Já a de cirurgias, conta com um modelo all inclusive, no qual o cliente paga um valor fechado por tudo que precisa na cirurgia, desde as primeiras consultas e exames, até o remédio pós-operatório.

“Dentro da plataforma, temos uma solução para todas as queixas de saúde”, diz Hans. Segundo ele, para isso, todos os dados do paciente estão integrados e os especialistas conseguem ter uma visão mais clara e ampla que ajuda a fornecer um tratamento de maior efetividade. Isso aumenta, inclusive, o protagonismo do paciente.

“Mas para realmente empoderá-los, também precisamos ajudá-los a tomar as melhores decisões. Por isso, apostamos em dados para a criação de soluções que ajudem a guiar os pacientes em sua jornada de saúde de maneira customizada”, completa.

A perspectiva é que a empresa impacte 1 milhão de clientes das classes C, D e E até 2026. O Grupo Fleury emitiu uma debênture ESG de R$1 bilhão para auxiliar nessa meta.

CULTURA COMO BASE

Mas é importante lembrar que, para fazer a transformação digital efetiva, não basta apenas adquirir tecnologias. É preciso, antes, uma mudança de mentalidade.

Isso quer dizer que a adesão a ferramentas digitais só faz sentido se estiver acompanhada da disposição de melhorar processos e promover uma cultura de inovação, como explica Rodrigo Nasser, sócio da ITU Partners e da Aster Capital.

“Quando falamos em inovação, as pessoas, geralmente, pensam diretamente na tecnologia. Mas ela tem que ser o meio, não o fim”, diz Rodrigo.

“Claro que é preciso infraestrutura, com sistemas adequados, mas não é possível fazer a transformação digital sem promover uma cultura também digital. Isso passa pelo envolvimento e engajamento das equipes e por muito treinamento”, completa.

Inscreva-se agora mesmo no Grupo Fleury Talks neste link ou no código de barras abaixo: http://futurehealth.rds.land/grupo-fleury-talks-2


Confira Também: