• Criado por uma PhD, exame ajuda médicos a identificar os medicamentos certos para tratar câncer de mama e de ovário

    Caroline Brunetto, a CEO da Ziel
    Adriana Gaz | 4 out 2021

    Por onde começar um tratamento de câncer? Como em pleno século 21 ainda se trata um câncer empiricamente? Essas inquietações foram o ponto de partida para a PhD em biologia celular e molecular Caroline Brunetto estudar a fundo uma solução.

    Ela desenvolveu, então, um teste de laboratório capaz de detectar qual o medicamento realmente eficaz para cada tipo de tumor.

    Com o incentivo de um professor do doutorado, Caroline, que também é professora de ciências biológicas: farmacologia e terapêutica na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), inscreveu seu projeto em um prêmio de empreendedorismo e ficou em quarto lugar entre 15 mil inscritos.

    Foram dez anos de pesquisas e mais pesquisas, estudos clínicos, validações e busca de investimento. Assim nasceu a Ziel Biosciences, que chega ao mercado no mês de outubro com o teste idealizado pela bióloga anos atrás.

    “O câncer é uma doença complexa, com muita alteração e mutação. Sabemos que 40% das pessoas respondem bem ao tratamento, isso porque somos todos diferentes uns dos outros”, diz Caroline.

    A startup foca na saúde da mulher e oferecerá o rastreamento para câncer de mama e ovário.

    Segundo a última pesquisa realizada pela Agência Internacional de Pesquisa em Câncer (Iarc), o câncer de mama é um dos três tipos de maior incidência no mundo, junto com o de pulmão e o colorretal. Já o de ovário ocupa o quinto lugar em mortes entre as mulheres.

    O Instituto Nacional de Câncer (Inca) estima que para cada ano do triênio 2020/2022 sejam diagnosticados no Brasil 6.650 novos casos deste tipo de câncer.

    “Somos uma empresa formada por mulheres e nossa missão é melhorar a saúde feminina. Voltamos nossas pesquisas nos últimos anos para essa questão e queremos ajudar mulheres do Brasil e do mundo com este teste”, conta Caroline.

    COM O TESTE, TRATAMENTO FICA MAIS ASSERTIVO

    O teste da Ziel detecta quais medicamentos são eficazes

    O teste de precisão desenvolvido pela Ziel é feito a partir de uma amostra do tumor, geralmente retirada em cirurgia.

    O material precisa chegar ao laboratório em até 48 horas, onde é repartido em diversos pequenos pedaços, que são dispostos em uma placa e recebem, cada um, tipos diferentes de medicamentos utilizados para combater o câncer.

    A cor de cada espaço na placa indica se o fármaco funciona ou não para aquele paciente. “Observamos que se o tumor continua crescendo, a coloração fica escura”, explica Caroline.

    “Quando células morrerem, fica claro, quase transparente. Com o exame, é possível saber quais medicamentos não farão efeito e já descartá-los do tratamento”, explica Caroline.

    Entender quais drogas não atuam na regressão do tumor é uma das maiores vantagens da oncologia de precisão.

    O teste, que demora cinco dias para ficar pronto, pode ser realizado logo no início do diagnóstico, mas também é bem útil para detectar como seguir na recidiva de tumores.

    Apenas mais duas empresas no mundo realizam este mesmo teste. Localizadas na Alemanha e nos Estados Unidos, alguns laboratórios e hospitais de ponta até oferecem essa opção.

    Oa valores, no entanto, são extremamente altos, uma vez que o material coletado precisa ser enviado para o exterior de maneira adequada e em até dois dias.

    Com a alternativa local, o valor caiu, mas ainda pode impactar no bolso do paciente.

    “Hoje custa cerca de R$ 10 mil, pois os medicamentos e a logística do transporte de material biológico ainda são muito caros. Mas estamos batalhando por parcerias para que possamos diminuir estes custos”, revela Caroline.

    No plano da Ziel também está doar para pacientes que não tenham recursos um teste a cada dez pagos.

    Além de espalhar a notícia da chegada do teste brasileiro ao mercado médico, a femtech pretende impactar a vida das pessoas diagnosticadas com câncer com informações e empoderamento durante o tratamento.

    “Queremos ajudar o paciente, pois no fim do dia a dor é dele. Quanto mais opções a pessoa conhecer, melhor. Nossa meta é empoderar e mostrar que muitas vezes ainda tem o que se fazer nesta jornada”.

    LANÇAMENTO NO OUTUBRO ROSA E INVESTIMENTOS

    A startup escolheu o mês da conscientização sobre o câncer de mama para lançar o teste e aproveitar o assunto na pauta.

    “É o melhor momento para falarmos da saúde da mulher e colocar a importância de pensar em tratamentos personalizados, até como uma questão de saúde pública”, analisa Caroline.

    Com a saúde feminina em foco, mais olhares se voltam para empresas que olham para essa questão de forma inovadora.

    A startup já captou R$ 3 milhões, além dos prêmios, que ajudaram a colocar o estudo clínico em pé e fazer o projeto acontecer.

    “Estamos agora buscando investimento para aumentar a infraestrutura pelo Brasil e poder oferecer o teste para todo o país”, diz Caroline.

    “Acreditamos que quanto mais pessoas olhares multidisciplinares enxergarem nossa missão, melhor. Quero ajudar as pessoas”, afirma a PhD, que sonha desde os dois anos em ser cientista. Sonho realizado com sucesso.

    Fique por dentro das melhores histórias de inovação em saúde: assine nossa newsletter.

    Confira Também: